quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Abaixo a(s) ditadura(s)!

Quando eu falei que não acreditava no fat pride, muita gente ficou brava, achou que eu estava ofendendo as gordas, ofendendo as magras, ofendendo as azuis, as amarelas, enfim, todo mundo. Me disseram que eu estava acusando as gordinhas felizes de estarem mentindo pra si mesmas. Oi, gente, EU sou uma gordinha feliz. Passei a maior parte da minha vida adulta com sobrepeso, ainda que pouco, após ter sido uma adolescente magrela de pernas-gambitos. Se isso satisfaz a todos, também não acredito no esqueleto pride. E não porque eu seja dona da verdade ou coisa assim. É uma OPINIÃO PESSOAL, já que a minha EXPERIÊNCIA PESSOAL mostrou que fui muito mais feliz nas épocas em que estive no meu peso certo. Além de estar extremamente saudável e cheia de pique, qualquer coisa do meu armário caía bem - ao contrário das épocas magras, quando a roupa caía que nem cai no cabide, e das épocas gordas, quando parece que o defunto era menor. E do mesmo jeito que eu acho que talvez o fat pride gere uma mentalidade de 'eu não preciso cuidar da saúde pois gosto de mim como sou', tenho pavor da lavagem cerebral que gera meninas com IMC em números tão baixos quanto aqueles de gente que realmente passa fome. Gordas e magras têm que cuidar da saúde, sempre.


O que nos leva a outro problema. Que o mundo da moda considera gordas meninas que usam manequim 36, a gente já sabe (o que prova também que 'gorda' e 'magra' são questões de ponto de vista). Daí nós, meninas que não têm o padrão prescrito pela ditadura da moda - alta, magra, sem bunda, sem peito, sem coxas - acabam com dificuldades de encontrar peças pra gente, que afinal, é mulher normal, é a girl next door, enfim. Essa semana vendedor da fórum fez muxoxo pra mim porque pedi um vestido tipo cocktail dress que estava na vitrine (e tinha abaixado de R$600 pra R$150 na liquidação, porque claro, ninguém comprou) no manequim 42. Ah, desculpaí se eu tenho peito, seu mané. Meu tamanho de vestido, aliás, pouco varia quando eu emagreço, por causa do peito. E eu acho que atitudes como essa acabam impedindo que muita menina pequena demais ou grande demais entre nesse tipo de loja atrás de roupa, por mais atraentes que estejam os preços.


E os consumidores de moda, quem são? Recentemente li esse post da Fezinha, que é um desabafo sobre o que rola no mundinho fashion, e um dos motivos que me levou a falar de novo sobre o assunto do gorda pride, esqueleto pride, quem usa o quê e afins. Descobri o blog dela através do blog da Lily, que acho muito bacana pelo fato de mostrar um estilo próprio e nada vitimizado por tendências - eu confesso que torci um pouco o nariz no início porque a maneira com que ela se veste não tem absolutamente nada a ver com a minha... mas ué, o legal não é isso mesmo, a diversidade e a originalidade? Enfim, voltando ao post da Fezinha, nele ela fala do Lookbook, e de como os looks mais badalados por lá são aqueles nos quais os 'modelos' são gente linda e perfeitinha. Acho que eu sou a única caipira que nunca tinha visto o Lookbook e pelo que entendi (me corrijam se eu estiver errada), creuza bota a foto lá e a foto é 'hypada' e comentada pelos outros usuários. Era pra ser um site de streetstyle? Porque, na boa, parece um editorial de moda gigante. Muito pouca gente lá parece de verdade. Quase ninguém parece estar vestido para um dia de trabalho (na minha cabeça quase todo mundo trabalha) ou uma simples tarde no cinema. Todo mundo faz caras e bocas, produções super elaboradas, enfim, rola uma capa despojada mas no fundo dá uma impressão de que tá tudo sendo levado muito a sério. E pior, rola uma padronização. Vão lá e procurem por sobreposições, ankle boots, cintinhos por cima de blazers e óculos Wayfarer/Wayfarer inspired. Vão ficar lá até amanhã, porque tem trocentos.


Não gostei. Porque cadê as gentes normais? Acho lindo quem tem espelho em casa, quem se veste de acordo com seu tipo físico e seu estilo próprio, sem deixar de ser gente-como-a-gente por isso. Ditaduras são um saco, é um saco que certos veículos pretendam dizer como você deve ser ou se vestir, porque senão fica sendo só mais um no mainstream. O povo da moda anda tudo tão igual que daqui a pouco o diferente vai ser o cara de jeans, camiseta Hering, All Star e mochila preta, indo de busão pra faculdade numa segunda de manhã. E vai ser legal!


44 comentários:

  1. por incrível que pareça eu acho (e todos a minha volta comentam o mesmo) que estou mais feliz agora estando beeeem acima do peso do que antes quando estava esqueleto e até mesmo no meu peso ideal... mas admito, em nenhum momento estive, e nem estou, satisfeita com meu corpo! acho que vai ser sempre assim! hahaha!
    Quanto à me vestir, boto o que eu quero, moda é meio de expressão! tem dias que tô meio tristinha e boto um blusão com moletom, todos me perguntam se eu tô gripada, doente. A resposta é não, mas me sinto como se estivesse... Quando saí de esmalte jade muita gente achou estranho, moda para massa é padrão, um pacote fechado, muitos não tem essa visão de que moda é meio de expressão. hoje posso estar uma gordinha Beyonce, amanhã Oprah,depois Preta Gil... Quem sabe até mulher melância! hahaha

    ResponderExcluir
  2. Dei risada sobre a magrela sem peito, nem bunda, alta, eu sou assim hj menos magrela mas tenho bordinhas de catupiry e não pense que é fácil achar roupa também, como sou altinha as blusas sempre ficam curtas, as calças tem que ajustar e por ai vai...
    Mas acho bem surreal algumas fotos que vejo, não consigo imaginar uma pessoa se montando tanto assim as 6 da matina e correndo com saltos enormes pra não perder o busão o.O

    Sempre leio muitos blogs de moda, algumas coisas acho bem legal de usar e prático assim como as meninas do oficina ensinam..mas tem muitos exageros né?

    Tenho dó de quem vive tentando ser assim, montada, sem estilo e se privando de um brigadeiro.

    beijos querida

    ResponderExcluir
  3. Você tocou num assunto super interessante! Porque hoje em dia as pessoas só enxergam os padrões extremos? Ou a pessoa deixa tudo pra lá e fica gorda, esquecendo até mesmo da saúde, ou se resolve emagrecer quer virar olívia palito (cometendo inúmeras loucuras no processo). O que aconteceu com o meio termo? Ser uma pessoa normal?

    ResponderExcluir
  4. Eu fui obesa (102kg) e hj estou com o peso normal (60kg), e compartilho sua opinião no q diz respeito a me sentir muito melhor hoje, não só no fator estético. Talvez, por isso, eu sinta A MESMA sensação q vc sente, quando alguém diz SOU GORDINHA (OU MAGRICELA) E SOU FELIZZZZ, eu custo a acreditar.

    ResponderExcluir
  5. adorei o post. e eu sempre acho isso qdo vejo esses looks, nao somente no lookbook (pq qse nao entro ali), mas nos blogs brasucas tbm.. como as pessoas passam o dia e a semana naqueles saltoss todos? como? ng corre atras do onibus? rsrs

    bjs, bomdia!

    ResponderExcluir
  6. olá
    Estou acima do peso, mas já estive magra, acho que ficar magra e mais facil se vestir, entao a pessoa se sente melhor.
    Quando a pessoa está gorda sofre demais pra achar roupas que ficam bem ou mesmo roupas que sirvam.

    ResponderExcluir
  7. Ai Joo eu estou com sobrepeso também, mesmo que pouco como você, o que ja me enquadra no quesito gorda fora do padrão! Acredito que o legal é ter vaidade, se produzir, querer ficar bonita (independente do corpo), MAS sem nunca descuidar da saúde! Eu já pesei 110kg no passado e isso ferrou meus joelhos, mesmo hoje tendo quase 50kg a menos, meus joelhos ainda doem! Então prioridade na saúde mulherada!
    Bjs
    Rena

    ResponderExcluir
  8. Ahh adorei esse post, achei o blog essa semana e já ameeei de cara! Nossa eu compartilho da mesma opinião a respeito de me sentir melhor quando estou no meu peso certinho (como estou hoje)... há 4 meses atrás eu estava 10kg acima do peso e resolvi (não por padrão nenhum, mas por mim mesma) mudar a situação... me matriculei na academia (arrumei tempo e parei com as eternas desculpas) e sabe o que aconteceu? Sou muito mais feliz, perdi 12kgs e me sinto muito mais disposta pra tudo!! E a moda? Tô me lixando pra ela... rsrs nao aguento esses saltos assassinos, e nunca vou conseguir chegar a ser cabide nem com greve de fome de 100 anos ahahaha a genetica nao permite... serei sempre volumosa srsrs

    E esse negocinho da loja que passou com vc acontece direto cmg... acho um abuso!!!

    E outra coisa, me perdoem as escravas de dietas mirabolantes... mas eu não abro mao do meu docinho de sobremesa... e independente de peso e medidas eu sou feliz e pronto!! Do meu jeito, sem rótulos.

    ResponderExcluir
  9. Assino embaixo desse post.
    Porque eu sou uma nanica de 1,52m e quadril largo (não importa se eu emagrecer, o quadril continua aqui) e achar roupa que fique legal mesmo é uma guerra!
    Até gosto de ver looks, mas é como se fosse ver desfile de alta costura, tudo só pra ver mesmo. Depois vou na C&A ver o que fica bom em mim (pra piorar ainda sou pobre xD).
    Quanto ao padrão de beleza, realmente eu nunca cheguei a me importar seriamente sobre o assunto. Porque não importa qual seja eu nunca vou me encaixar nele, então pra que ficar me encucando com isso? Jamais vou comer loucamente ou fazer dieta maluca pra fazer parte de uma coisa que eu já não faço parte. Prefiro ter saúde a procurar me encaixar num padrão surreal de "beleza", que vamos lá, é um adjetivo completamente subjetivo. Não acho esqueletos bonitos e meu namorado (e a maioria dos amigos homens) também não. Sinceramente eu não sei como tem gente que se submete a ficar visivelmente doente (vide algumas modelos do SPFW) pra fazer parte desse padrão de "beleza".
    Beleza está nos olhos de quem vê (ainda bem!)

    Beijo pra vcs! Adoro o blog =)

    ResponderExcluir
  10. Ôxi! Vi que eu tava com um número de visitas alto, sendo que minha última postagem foi há quase 3 dias...e aí entendi que fui citada aqui! =)

    Então...eu concordo com tudo. Primeiramente pq sim, me sinto melhor com o peso certo tb. Nem muito magra, e nem muito gorda, tb por experiência pessoal. Essa coisa de "gordo é lindo" e "esqueleto é lindo" não rola. E eu queria falar um palavrão sobre o Lookbook..."Lookbook de c$ é r@#$!". Aquilo é uó. Caras e bocas, com roupas que eu nunca vi ninguém usar em CANTO ALGUM (pelo menos os que eu conheço) da Europa e America do Norte. Ou então aqueles looks de short e camiseta (com caras e bocas, claro), super hypados pq a menina tá mais prá modelo da Vogue do que prá minha amiga de chopp e bolinho de bacalhau. ABOLI aquele troço da minha vida, pq é deprê demais, bem como aboli a maioria das blogueiras gringas tb. Eu não acredito nelas e ponto. Ninguém usa vestido de festa e sapatos altíssimos Chloé prá passear no shopping. Eu sou mulher de verdade, e gosto de foto de gente de verdade. Se começar com look patrocinado, perde minha credibilidade. Não me importa se não for o meu estilo. Gosto por ser normal e por dar idéias (mesmo diferente, posso ver combinações de cores, estampas, etc). E o que de melhor a blogolândia me trouxe foram essas meninas de verdade. Que de vez em qd eu encontro prá fazer compra em brechó, trocar roupa que não quero mais e tomar cerveja comendo escondidinho. Que bom ser de verdade. Mesmo com uns kgs a mais.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Oi linda, ainda estou sumida da blogosfera por conta da saga do dente e dei uma passinha pra como sempre ver o que rola aqui.
    Achei super bacana o post.
    Porque não é porque a gente tá acima do peso é porque está com saúde e não porque está abaixo do peso está linda.
    Devemos estar no "nosso" peso e estarmos felizes e com saúde.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Joo, gosto de vocês porque além de divertidas, do blog ser bacana, vcs são sinceras e tem os pés no chão.

    Eu também passei por uma experiência parecida na Khelf. Eu sou branquela mas tenho derrière de Beyonce, quase uma mulher melancia. (sorry desbundadas). Cheguei na loja, e pedi uma calça 40 e outra 42, que sempre me serviram. Bom, não serviram. Tive que pegar uma 44. E o vendedor ainda falou: "eh, achou que estava mais magrinha". Sai da loja e pensei várias maldições e palavras feias a respeito desse vendedor imbecil.

    Acho que o importante é ser feliz e ter saúde. Vida sendentária e comer porcaria toda hora não é bom pra ninguem, independente de ser "magra de ruim" ou "gordinha". É possível ser gordinha, feliz e com saúde. É possível ser magrela, feliz e com saúde.

    ResponderExcluir
  13. Oi Joo!

    Sabe uma coisa que eu não entendo? Por que existe esta febre das pessoas ficarem se metendo na vida das outras? Mandar vc emagrecer, engordar, ficar loira, usar MAC, usar Avon, e assim por diante... Por que?

    Eu tenho uma tia que tem obesidade mórbida (da última vez que a vi fiquei chocada), e eu não tenho coragem de dizer pra ela "Vai fazer um regime, vai fazer uma operação de redução do estômago"... e sabe por que? Porque é tão óbvio que ela sabe de tudo isso, que eu ficar dizendo isto pra ela é maldade. Maldade porque a auto-estima dela já está lá embaixo, e como se não bastasse ela se julgar, os outros ficam fazendo isso por ela também, lembrando-a do seu problema.

    Digo problema porque obesidade mórbida é um problema, seja ele qual for. Quando a pessoa deixa de fazer as coisas na vida porque sua condição não permite é porque há algo de errado. Agora, os motivos são os mais diversos, e é aí que eu acho que as pessoas não sabem mais o que significa a palavra "limites". Ninguém mais pensa um segundo antes de dar sua opinião, se está se passando, se está ultrapassando os limites do aceitável. Todo mundo acha que pode dar sua opinião, seja ela qual for, não importam as consequências. Não estou falando somente de peso aqui, mas de comportamentos em geral.

    As pessoas esquecem do individualismo, passando a ser "mais um do bando". Porque é isso que estamos vendo se criar: um enorme bando de pessoas magras, que não ousam estar fora de moda e seguem seus líderes (as celebridades). Acho triste isso.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olha, acho q vc tem toda razao inclusive no Lookbook. O que é aquilo minha gente?! Sou mais a querida Frocks and froufrou, um blog com uma gordinha que tem dia q tá bem meu estilo, tem dia que tá nada a ver comigo, mas é "Gente como a gente", ou seja, me sinto acompanhando gente real feito eu. Ainda não vi um tão bom por aqui qto o blog da Froufrou. Precisamos criar alguns, ainda mais pra alguém nos cinquentinha, mas ainda cheia de vitalidade feito eu. Acho que vou fazer um.Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Eu fiquei até emocionada de ver pessoas que tem o mesmo ponto de vista que o meu!

    Acho muito errado isso de achar que ser gordo é bom, que os magros todos são esqueléticos e passam fome, que isso é feio e bla bla bla, só que não percebem que tão fazendo exatamente a mesma coisa que fazem com eles, é muito estúpido!

    Eu tenho uma avó que é muito gorda, muito mesmo e eu sempre fui uma criança muito magra e ela sempre fazia brincadeiras muito chatas sobre isso, mas é claro que ninguém podia falar nada sobre ela ser gorda. Ano passado fui pra cidade dela depois de muitos anos e minha irmã, que já estava lá, falou que eu finalmente tinha engordado. Ela ficou radiante! Quando eu a encontrei ela não me reconheceu, porque tava esperando que eu estivesse tão grande quanto ela! E ainda teve a capacidade de brigar com a minha irmã, dizendo que ela tinha mentido! Ridículo!

    Atualmente eu tenho o peso normal com algumas gordurinhas aqui e acolá, mas eu que sempre fui magrela acho um pouquinho grande demais, assim como quem sempre foi gordinha vai se achar estranha se emagrecer muito, mas o que importa mesmo é a saúde, a estrutura, o dna. O próprio IMC tem como peso normal um variação bem grandinha. Eu não entendo essa coisa de ser tudo padronizado, ou só magra que é bonita ou só as gordas que são!

    Eu sei que não tem nada a ver, mas eu precisava compartilhar essa raiva que ue tenho dessas coisas, porque né, comenta uma coisa dessa num post "pro" gordice pra ver hahahha

    ResponderExcluir
  16. Assino embaixo!!!
    O importante é ser feliz e saudável...usar e fazer o que gosta.
    Estou totalmente de acordo com as palavra e acho que é muito bom fazer "desabafos" como esses pras nós, gente-como-a-gente, se sentir bem em ser...normal! rs
    Sem mais.

    ResponderExcluir
  17. Essa semana também abordei um tema semelhante lá no meu blog.
    Essa ditadura imposta pela moda, eu acredito, prejudica a própria moda.
    Sabe a história de oferta e demanda? Se grandes marcas fizessem algo para todos (aos padrões variados) eu acredito que os preços seriam mais baixos e todo mundo sairia ganhando.
    Parece que algumas tendências surgem para fazer as pessoas fora do padrão sentirem-se mal (como se fosse da vontade da pessoa ser gordinha, ou não tem aquele cabelo chapado por natureza). Veja o caso de calças saruel... Só pessoas magras ficam bem com alguns modelos e virou tendência... ou seja, uma moda que para ser usada, a pessoa tem que obedecer um padrão.

    É triste, triste, triste... Mas a gente chega lá... o mundo já foi pior.


    Beijokas, amo o seu espaço.

    Aramantha

    ResponderExcluir
  18. Adorei o desabafo!
    Concordo!
    bjo bjo

    graziele pacheco.
    www.grazielepacheco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Eu não acredito em FatPRIDE tb não. Quer dizer, acho que algumas pessoas podem se sentir felizes e satisfeitas com sua vida num determinado momento, mesmo estando acima do peso. Mas agora visualiza este mesmo momento de felicidade e tire aqueles quilos em excesso da sua silhueta. Uau,hein? Isso sim é vida. Mas como já dizia o nosso amigo VISA " a vida é agora" e nem sempre podemos ter tudo ao mesmo tempo agora. às vezes não temos tempo, às vezes não temos cabeça ou saco...Acho que isso é o normal:)
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Joo!

    Tava pra escrever aqui há um temnpão, mas não conseguia (a joça da internet do trabalho trava, um sacoooo!)
    Li seus posts da viagem (até comprei um hidratante St Yves na Argentina, hahahaha) e quero dizer que adoro o VNF por conta de posts assim. Adoro e pago pau!!! Pq vcs são gente como a gente!!!!

    Adoro um espetáculo, mas idolatria do inatingível já é demais! A realidade é tão mais interessante...

    Fiz até um post no meu http://hojevouassimoff.blogspot.com/2010/02/semana-dos-desabafos_25.html

    Beijocas, queridas.

    ResponderExcluir
  21. E ponto de vista é ponto de vista... O seu "problema" é ter peito grande, o meu "problema" é ter quase nada... Não dá pra encarar altos decotes! Sem falar das pernas grossas, que começam na cintura fina: ou a calça fica larga na cintura, ou a calça não entra!

    Na Matemática, MODA é o que é válido pra maioria dos casos. Saca? Então... Eu acho engraçado, desfile de moda, tendência, etc, aquela coisa super exclusiva, boutique, aí quando "cai de moda" a massa começa a usar. Então peraí, quando cai de moda é que entra na moda!!! Ou vc descobre que não vingou, justamente porque é difícil de usar, porque o povo não aceita.

    Eu acho que o bacana é o auto-conhecimento. Saber o que fica bem na gente, se olhar no espelho e perceber a harmonia, ou a falta de. E principalmente, usar o que faz vc se sentir bem. Porque atitude é tudo, e pensa, se vc está desconfortável, não dá pra disfarçar. E se pra se sentir bem vc precisar emagrecer, ou ganhar um pouco de pedo, batalhe para isso, mas que seja de maneira saudável.

    Eu tbm não acredito no fat pride, ou no esqueleto pride. Mas eu acredito que auto-estima é uma coisa que vem de dentro, independente do invólucro. Nem sempre tudo está 100%, e a aparência é só uma parte disso. Se peso ideal fosse sinônimo de felicidade, era fácil saber quem é feliz e quem não é. Mas convenhamos: cuidar do peso, da saúde, da alimentação, fazer exercícios físicos são passos importantes para conseguir atingir o equilíbrio.

    ResponderExcluir
  22. Bebel, peito não é problema nenhum não... tá, eu sou baixinha e tem certas roupas que ficam esquisitas em mim por causa da síndrome do 'baixa combustão' (hehe), tem tomara-que-caia que eu acho lindo e não posso usar porque não dá pra dispensar o sutiã...mas mesmo assim eu não encaro uma cirurgia não! Só queria não ter tanta tendência a engordar, e não ter que fazer tanto esforço pra perder peso ou permanecer no peso certo... nhé...

    ResponderExcluir
  23. eu super concordo contigo! conheço gente que considera lookbook bíblia de cabeceira. mas ALOO, REALIDADE? ninguém que tem uma vida normal, que trabalhe e estude, sai assim de casa. quem que vai TODO dia com um salto 15 trabalhar? sempre com "hypewannabe" tatuado na testa e fazendo carão. jura. aquilo pra mim é tudo fachada... obrigada por compartilhar a tua opinião, o estilo próprio tem que prevalecer, e não o hype. de que adianta ser hype se tu não tem um estilo que te define, né?

    ResponderExcluir
  24. Oi querida!!
    Primeira vez aqui no seu blog. E, de cara, já ameeeeeeei.
    (achei aqui através da Ana – HVA OFF)
    Concordo plenamente com tudo o q vc escreveu. E é uma pena que meio mundo de gnt não pense assim, e ainda se ofende. Mas fazer o q, né? A nossa parte a gente faz. O recado ta dado – e muito bem dado. Adorei a leitura!
    Beijos

    http://gostosdenel.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. aaahhh, superconcordo com o que vc falou sobre o fatpride: tem gente que acha que isso é desculpa pra se entupir de carboidratos, gorduras, não se exercitar e acabar com a saúde.
    bem, sou magrela e as roupas costumam cair (gente, usar calça caindo é uó, mas acontece comigo kkkkkk), mas tb me sinto melhor quando não estou tãão seca, não acho bonito. mas mesmo assim não deixo de usar o que quero quando estou mais magra.

    ResponderExcluir
  26. Adoro qdo as blogueiras se pronunciam com textos altos assim, muito legal.
    Parabéns pra vc.
    Se te consola, eu tbm não acredito no fat pride e tbm SOU uma gordinha que ficava mais feliz qdo tinha o seu peso certo. :)

    Mas eu acho que o conceito sempre vai seguir uma linha, só que a gente tá aqui pra fazer a moda do jeito que dá, que o ocrpo da gente permite e que a grana sustenta.
    Não sou contra todas as ditaduras, mas tbm não acho que o glamour e a grana valem tanto esforço.

    Não tenho corpo de modelo, nem muitas pilas pra pagar em roupas mil(apesar de ter meu luxinhos), mas sou feliz, tenho uma família sólida, um namorado legal, um emprego decente, enfim, normal.

    Está crescendo a vontade de montar um encontrinho troca-troca. Acho que seria tão legal...
    O que acha? Trocaríamos roupas e ideias.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  27. Sou gordinha mas me cuido. Sempre faço check up para dar uma conferida se está tudo ok. Já fiz dietas mirabolantes e quase tive um troço com Sibutramina. Não quero e não posso engordar mais do que hoje, então tento me controlar e moderar.
    Escutei uma essa semana q me deixou hiper triste: cheguei a uma inauguração e uma pessoa me disse " fulana tava doida p q vc chegasse e eu me sentindo "é mesmo?" e a pessoa disse " é! Ela disse que tava de saco cheio de ser a única gorda".
    é mole?

    ResponderExcluir
  28. Loo, por isso que coloquei entre aspas: "problema". Se um dia pudermos conversar pessoalmente, acho que vc vai entender melhor meus pontos de vista. Falta de peito (pra mim) também não é um problema real, tá tudo na cabeça! Mas olha, já foi viu... A gente muda! E a propósito, eu tbm não vou encarar cirurgia pra colocar peito, tô feliz assim.
    E sejamos felizes!
    Bjs

    ResponderExcluir
  29. Joo né Bebel?
    eu já muito magrela e peituda, me chamavam de CHESTER
    (e eu nem achava ruim, ó ehehheh)
    beijo!

    ResponderExcluir
  30. Ahh eu fico é revoltada com essas lojas que tem muita roupa linda e o manequim maior que elas vendem é o 44.
    E o 44 de uma loja sempre é muito diferente do 44 de outra loja qualquer, os cortes não tem mais um padrão então as roupas não servem mais em todo mundo como quando somos crianças.Mas entendo, pois mesmo pessoas da minha altura com peso igual ou aproximado irão ter um formato de corpo não exatamente igual ao meu.
    Eu tenho 1,76m de altura, 84kg e no momento estou brigando com o sobrepeso(sobrepeso pra mim é quando vc veste a calça jeans que adora e o botão não chega perto da casa sem vc tentar se matar pra fazê-lo)e inclusive nesse final de semana fui atrás de uma legging e uma camiseta pra voltar a caminhar e voltar a caber na minha roupa querida sem ter que acabar comprando roupas cada vez maiores.
    Se meus joelhos não fossem tão frágeis eu enfrentaria uma academia, mas não rola porque minha patela desloca facinho e nem de bicicleta consigo ir longe.
    Mas o que me revolta é que lojas como a TOK, C&A e muuuitas outras "grifes locais" que tem roupas liiiindas e com precinho convidativo, não tem números maiores pra essas épocas em que o malvado efeito sanfona nos pega de surpresa, como quando me aconteceu no final do ano passado(e aí eu percebi o sobrepeso) que minha roupa socialzinha não estava servindo, a menos que eu topasse o ridículo de sair com a roupa prestes a estourar.
    A própria Leggin é um exemplo. Na primeira loja que entrei ela me estrangulava a cintura e a panturrilha... Na C&A, Renner, Marisa e Riachuelo era todas de cós baixo(quadril largo é triste, a calça desce...) e fui achar numa "loja de fábrica", e comprei duas ótimas, muito bem costuradas, pelo preço que compraria uma na malharia de grife"... e suuuuper bem acabadas, com todas as costuras duplas e tecido de ótima qualidade. Já as da C&A o tecido era tão fino que daria pra contar os furinhos da celulite nos glúteos...
    Com tudo isso eu fui notando que não era o padrão "dos outros" que estava me incomodando, e sim o meu próprio. Continuava vendo meu peso fora do que foi anos atrás ou passaria a aceitar roupas cada vez maiores... questão de opinião pessoal e de consciência mesmo...
    Já parei de comer as bobagens, e o peso continuou... porque eu ainda não estou me mexendo como devo.
    Agora, se deprimir porque OS OUTROS pensam diferente... aha não rola!
    Se vc quer emagrecer, emagreça PARA VOCÊ, não para outros que estão nem aí pra vc...entende? É assim que eu penso, assim que eu faço.
    E eu? EU quero, eu posso e eu faço!
    Sou feliz assim, e quanto ao efeito sanfona... é chato mas dá-se um jeito.

    ResponderExcluir
  31. E falando enfim do fatpride e das meninas que são pele e osso... bom, cada um tem melhor capacidade de decidir sua vida e seu modo de vida, sempre melhor do que diriam as outras pessoas, que nunca sabem de nossa vida o bastante, não podem resolver nossos problemas e se sentem no direito de opinar, muitas vezes de forma ofensiva.
    Já notou como TODAS essas dietas milagrosas anunciadas em capas de revistas, se levadas a um profissional da saúde, serão consideradas absurdas?
    Dieta da sopa? Claro, vc toma um caldo forte e tem diarréia por uma semana! Isso não é emagrecer com saúde, nunca foi.
    A pessoa emagrecer porque ela mesma quer é uma coisa, conviver pacificamente com seus quilinhos a mais é outra coisa... e fazer lipo pra tirar 7ml de gordurinha da cintura, fazer dietas mirabolantes... isso sim é de dar pena porque a pessoa está presa a conceitos padronizados impostos pelo mercado.
    Já tive 56 kg de peso na pré-adolescência, depois na fase adulta(antes de namorar com meu marido) tinha 65 a 68kg. Agora estou com 84, e gostaria de estar pelo menos na casa dos 70kg, porque eu não ligo pra isso de ficar "gostosa", só quero chegar a um ponto em que eu não tenha de comrpar roupas maiores "por enquanto". Se a pessoa tem saúde, o resto só deve importar a ela e não aos demais...

    ResponderExcluir
  32. Meninas, peço desculpas com a confusão dos nomes!!! hahahaha
    Joo e Loo, tanto em mulheres mais "magricelas" quanto em mulheres mais "gostosonas" eu acho peito grande o máximo! É super feminino né? Mas com o tempo, aprendi que não precisa ter peito grande pra ser mulher, ou pra ser feminina. Cada mulher tem um jeito especial de ser, e acho que atitude e auto-valorização contam mais que esses estereótipos que esfregam na nossa cara. Não me entendam mal: eu ia achar muito legal se amanhã eu acordasse vestindo manequim 42 de soutien, além de tudo, seria mais fácil comprar soutien hahahaha Eu uso 38, mas tenho costas largas, e além de tudo, não é toda marca que tem esse tamanho. Mas não é por isso que vou colocar silicone. O conjunto da obra, digamos assim, é harmônico, e é isso que importa.

    ResponderExcluir
  33. Que post legal!

    É engraçado como o discurso da maior parte das pessoas é "seja quem vc é, descubra o seu estilo", mas essas mesmas pessoas padronizam modo de vestir, de pensar, de consumir e tudo o mais nas suas próprias vidas. E torcem o nariz pra diversidade.

    Por essas e outras (no mundinho dos beauty blogs isso também acontece) é que eu cansei da leitura de certos blogs. E este aqui é um dos que ainda faz parte das minhas visitinhas. Pela opinião, pela posição crítica, por serem "gente de verdade" sem meias palavras. Por não serem vendidas e rendidas... rs

    Parabéns pelo posicionamento. Eu me identifiquei total com a opinião expressada. Bjos!

    ResponderExcluir
  34. Há! Taí uma opinião minha que eu dificilmente divulgo, pq gera polêmica e às vezes acho desnecessário falar: naõ existe essa de Fat Pride. Tá, você pode ser gordinha e ser feliz, mas pelo menos pra mim (e não digo que é uma verdade absoluta, claro) qualquer gordinha ficaria um pouco mais feliz com alguns quilos a menos. As roupas caem melhor, você se sente mais bonita, cabe nos lugares, consegue subir uma escada, não é uma forma de ser mais feliz?

    Bom, no mais, sobre a ditadura da moda e ultrapassa editoriais e chega na internet - que deveria ser um território livre, em tese - é meio triste. Claaaaro que todo mundo gosta de ver gente bonita, agrada aos olhos, e tal. Mas e sobre ousar? A blogosfera (nossa, como eu odeio esse termo) não era um lugar pra gente ousar?

    Beijos mil, Joo, sou sua fã e fico mega feliz quando vejo comentários seus lá no blog.

    ResponderExcluir
  35. Colega to contigo e não abro a respeito do Lookbook!!!!!!!Quem, me fala quemmmm sai pra trabalhar, correr atrás do ônibus, correr pra passar seu cartão de ponto pra não se atrasar, correr pra faculdade carregando a mochila de 15 kg, fazer tuuuuudo isso em riba de um salto de 15 cm?????Só a Lady Gaga,rsrs!!!Agarrei num ódio quando visitei aquele trem da primeira vez ,que não voltei mais e fiquei super feliz de ver aqui que as meninas compartilham da minha indignação também!!Somos pessoas reais né gente !!

    ResponderExcluir
  36. Oi!
    Meu nome é Flávia, sou estudante de medicina e alguns livros de semiologia médica trazem uma tabela do tao falado IMC. O que muita gente nao sabe, é que esse valor não é fixo e de acordo com a idade sofre alteraçoes (neste caso para mais). Uma mulher com 53 kg, 1,70 e 22 anos está no seu peso normal porém com 23 anos esse peso deveria aumentar para 56,5! O que divulgam por aí é besteira!

    beijinhos
    flávia

    ResponderExcluir
  37. É complicado. Toda e qualquer ditadura de beleza deveria ser abolida, respeito as particularidades e variedades de formas e biotipos que encontramos por aí. Mas acho importante não advogar somente em causa própria - você focou muito no direito das mais cheinhas (o que acho super válido), mas e se o padrão fosse fazer roupa para as cheinhas? Aí as magrinhas também sofreriam e se sentiriam excluídas. O conceito de "normal", como vc escreveu no texto, é relativo. Importante você abrir sua cabeça pra isso, perceber que o "normal" pra você é mulher gostosona, com peito e bunda... Mas e as meninas mais mignon? E as despeitadas? As desbundadas? Também são vítimas da moda, assim como você. As baixinhas também, que muitas vezes tem de apelar pra roupas infanto-juvenil de tão difícil que é achar um caimento bom... Assim como as altas demais. Enfim, o que eu quero dizer é que é necessário rever os padrões da moda, mas sem tirar partido ou visando um direito específico (olhando somente o lado das gordinhos, por ex). A moda deveria ser democrática. Todas as mulheres - altas, baixas, magras, gordas, peitudas, despeitadas - deveriam ter acesso a ela. Todas tem o direito de se sentirem lindas. Desde Gisele Bundchen a Beth Ditto, sem exceções.

    ResponderExcluir
  38. Flávia, é verdade, mas em cálculos do IMC eu sempre tive que informar idade... acho que estava sendo considerado!

    Nanda, eu falo do MEU ponto de vista porque é o que eu conheço, oras... se vc der uma lidinha de novo, vai ver que eu menciono várias vezes termos como meninas grandes demais, pequenas demais, gente que se veste de acordo com o seu tipo físico, gente gorda, gente magra, gente azul, gente amarela... falei das minhs épocas de gorda, de magra, de 'saudável'... Acho que fui bem abrangente, o que me leva ao ponto... será que não é você que precisa abrir a cabeça não??? Bjs.

    ResponderExcluir
  39. Ah, e tipo, eu não sou gostosa... sou gordita mesmo :S

    ResponderExcluir
  40. Ai, então, lembrei de falar uma coisa pra não parecer chata (ahahahahaha)... enquanto eu sou gorda com peito, a Loo é magra com peito... acho que nenhuma das duas pode ser descrita como 'gostosa', acho que gorda e magra resumem melhor mesmo. E se a Loo escrevesse um post desse, ela ia falar do que significa pra ela ser magra, ter peito, às vezes querer engordar e não conseguir... quantas vezes a gente não conversou sobre roupas e ela disse 'tal coisa fica esquisita em mim porque eu sou magra' e eu disse 'tal peça fica bizarra em mim porque eu sou anã e peituda'...

    ResponderExcluir
  41. Ah, Karla... vc não mandou a PQP não? É o tipo de grosseria que merecia receber grosseria em troca. E isso de povo usar a palavra 'gordo' com sentido depreciativo, quase como um xingamento, tem mesmo. Já ouvi N vezes de menino que veio falar comigo na balada coisas como 'nem queria ficar com vc mesmo, sua gorda'. E ri, né. Porque quando eu era uma criança magrinha ouvia os meninos de 8 anos falando coisas equivalentes pras minhas coleguinhas mais gordas. E se o cara não aprendeu nada em 20 anos, o que fazer a não ser rir?

    ResponderExcluir
  42. Nanda, a Joo não focou no outro lado pq EU sou o outro lado.

    EU sou baixinha (1,65), ela é anã mesmo.

    EU sou magra (quer dizer, ex-magra, pq agora passei dos 50 quilos pq sou uma preguiçosa de mão cheia) que comemorava chegar no 48 kgs depois de 6 meses tomando a hoje famosa ração humana e treinamento ultra hipertrofico na musculação

    Ela não focou no outro lado (eu) pq dar trela para nos chamarem de um nome de seriado antigo é raso demais para as leitoras desse blog.

    E eu, aqui do outro lado, concordo com tudo que ela disse, mesmo estando do outro lado: comemoro quando encontro calças 36 e elas não ficam grandes, comemoro quando meu peito cabe num bojo 42 (pq ele as vezes queria um 44, e isso nao fazia sentido), comemoro quando minhas costas estreitas dão certo em blusa com decote...

    ela não focou no outro lado pq aqui a gente não costuma falar de coisas que não sabemos ou que não temos experiencias concretas, ao contrário do que se vê por ai ...
    simples assim ...

    beijo!

    ResponderExcluir
  43. olha a ala do los angeles lakers falando que eu sou anã... hunf...

    ResponderExcluir

É novo(a) por aqui? Então preste atenção nas seguintes observações:

- O VnF? não é uma democracia
- Apreciamos críticas construtivas
- Comentários que tenham por objetivo apenas a auto-promoção poderão ser removidos.
- As postagens antigas estão sofrendo moderação para evitar os chatíssimos robôs-spam