domingo, 4 de setembro de 2011

O meu cabelo não nega.

Pessoal, hoje eu estou "palester" e vou escrever um monte. Mas no fim do post, falarei sobre alguns produtos. Querendo ir aos "finalmente", é só descer a barra de rolagem!!!


Meu cabelo, com um volume que não sei de onde saiu, num dia pijamento de licença maternidade.

De quando em vez eu conto minhas histórias capilares aqui no blog - normal, é um blog de cosméticos, e tanto eu como a Loo falamos dos troços que usamos no cabelo. Uma dessas historietas foi esse post aqui, onde eu conto (reclamo) sobre as agruras de uma lisa, escorrida, sem volume, de cabelinhos finos que mal crescem, e sua maneira de lidar com esses fofos da mídia dizendo que cabelo liso não está na moda. Blé.

Em relação a aparência física, frequentemente parece que a grama do vizinho é mais verde - e tem dias em que ela é, mesmo. O buraco pode ser mais embaixo ainda, tocando questões sérias como saúde, origens étnicas e alguns outros temas polêmicos e mais sérios do que a minha irritação no dia em que meu cabelo acorda com frizz. Num post antigo (aqui), a Fernanda falou disso, relacionando com racismo aquela mania que muita gente tem de contrapor cabelo bom vs. cabelo ruim. Lembrei desse post porque, na época, ele me chamou a atenção: tô bem acostumada a me referir ao MEU (vejam bem, ao meu, MEU, M E U, MEEEEEUUU) próprio cabelo como bom OU ruim, dependendo do dia:

BOM = meu cabelo no dia em que ele me dá pouco trabalho e fica como eu quero

RUIM = meu cabelo no dia em que nem com reza brava/muito Bonacure sai algo que preste

Ou seja, até por estar me referindo a mim mesma, nunca tinha relacionado esse negócio de cabelo bom/ruim a questões raciais (e nem a Loo que, embora toda cacheada, já postou no Twitter um desabafo revoltadjeenho com os PRÓPRIOS cachos e foi atacada pela patrulhinha internética do politicamente correto). E não é ingenuidade não. Gente, meu bisavô era judeu e francês, ascendência que meu cabelo liso não nega (e nem meu narizón), e acho que a minha família só nao teve maiores problemas porque teve o insight de se mandar da Europa bem antes de 1939 e só voltar bem depois de 1945. Questões étnicas? Opa! Aqui temos, e das boas. Mesmo assim, confesso que paro pra pensar sempre que alguém, se referindo a outra pessoa, solta aquele "Fulana tem cabelo ruim". Embora eu admita a autocrítica (como faço comigo mesma), acho feio, acho que se tem que tomar cuidado, acho que dá margem a muitas interpretações que podem não ser muito legais.

Onde eu quero chegar? De acordo com o meu próprio conceito de cabelo "bom" (ah! uma menina, no post da Fernanda, comentou que um cabeleireiro, num programa de TV, disse que cabelo bom era aquele bem cuidado, não importanto se é liso, crespo, curto, comprido, loiro, moreno, azul, verde - super curti!), achei que a gravidez operou milagres por aqui. Já tinham me dito que meu cabelo ia ficar com mais viço e mais volume, mas dado que gestação faz coisas diferentes em diferentes mulheres, não acreditei que logo COMIGO ia acontecer uma coisa dessas. Incrivelmente, rolou - não só com o cabelo (que cresceu, além de terem brotado aqueles fiozinhos novos!!!), mas com as sobrancelhas, cujos fios parece que se multiplicaram em PG. Como nada dura pra sempre, me contaram também que depois o cabelo "extra" cai e tudo volta a ser como antes - nisso eu acredito - mas já que acho difícil a sobrancelha simplesmente cair, estou cultivando-a, deixando crescer mesmo que fique bem irregular e horrível (já está), pra daqui a uns 2 meses procurar um designer que saiba o que faz e as deixe com uma aparência legal.

Aproveitando o combo férias + licença maternidade, e dando conta também de outra coisa que me disseram - quando a Nina nascer e me demandar o dia todo, terei sorte de conseguir tomar um banho de gato - ando cuidando das madeixas com uns produtinhos novos, alguns ganhos e outros comprados. Quem quer saber de produtos e não de blablabla, pode rolar a barrinha até AQUI e ser feliz:

+ Linha Hidratação Reparadora com sérum concentrado de Quinoa, Natura Plant: a marca mandou a linha completa, mas tenho usado o shampoo e o condicionador. Se um produto que fala em "hidratação" faz tremer as moças de cabelos oleosos??? Pra caramba! Mas aprendi com a Paola como usar shampoos de tratamento (em regra, os perolados) sem fazer caca - aplicar primeiro o shampoo "limpador" (em regra, os transparentes), depois o shampoo de tratamento, depois o condicionador, enxaguando bem os fios após cada etapa. Usando assim, esses produtos da Natura deixaram o meu cabelo super macio, solto, brilhante e com um cheiro super gostoso. Pelo amor do jornalismo verdade, usei também apenas o shampoo e o condicionador da linha, sem o produto "limpador" antes de tudo... só pra ver o que acontecia. Primeiro dia, ok. Segundo dia, ok também. Terceiro dia, o cabelo ainda estava cheiroso e macio, mas passou a ficar pesado... voltei pra rotina de antes rapidinho. De qualquer forma, aprovei os produtos!

+ Shampoo anti resíduo raspa de juá e gengibre, Farmaervas: desde adolescente adoro a Farmaervas, temos uma longa história de amor desde que descobri que deveria lavar os cabelos todos os dias para dar um jeito na oleosidade, porém com um produto bom o suficiente para não deixar meu cabelo podre, e que meu bolso de monitora de buffet infantil pudesse pagar. O legal também é a facilidade de encontrar, esse produto foi comprado numa farmacinha bem pequena na minha rua, por R$9 e uns quebrados. Uso-o como primeira etapa do processo acima, mas como ele serve pra eliminar resíduos, fico com medinho de aplicar todo dia e alterno com outro shampoo transparente. Funciona! E como adoro o cheiro (perfume de mato fresquinho), às vezes uso apenas ele e um condicionador com perfume não tão acentuado depois (normalmente o meu amado Dove Antiquebra).

+ Shampoo clareador camomila e germe de trigo, linha Fios, Ecologie: essa marca nunca fez muito minha cabeça (aff, trocadilho podre), e aliás esse shampoo e seu respectivo condicionador, que estão no box do banheiro, pertencem a marido loiro. Certa noite, durante o banhinho para relaxar o barrigão, usei de curiosidade. O cheiro é delicioso, e além de tudo limpa super bem, sem ressecar - coisa que eu constatei usando direto por uma semana, mesmo com o muxoxo do Fred ("você está acabando com meu shampoo de loirice"). Hoje, é alternado com o produto da Farmaervas antes dos shampoo e condicionador da Natura.

Detalhe que, há um tempo atrás, postei dizendo que tinha "me encontrado" no mundo dos produtos capilares, e não iria testar mais nada. Paguei minha língua forte. Nem vou dar a desculpinha esfarrapada de que "gravidez muda a pele e o cabelo" (embora mude mesmo), porque antes de descobrir a Nina na minha barriga, eu já tinha voltado a testar um monte de coisa. Sou curiosa, que posso fazer?

Estes são os produtos que ando usando. Quanto ao papo do cabelo ruim/bom, sendo bem franca e realista, acho que todas teremos dias de um ou de outro. Mas quem tem que saber é cada uma. Além do que, bad hair day nunca matou ninguém.

8 comentários:

  1. Adorei as "definições" sobre cabelos bons e ruins, adorei as dicas de produtos, mas adorei, principalmente o seu humor "palester". Afinal, adoro divagações que têm sentindo (Se é assim que a gente descreve isso!)
    Resumindo: ADOREI TUDO!

    ResponderExcluir
  2. Adorei todo o texto.
    principalmente a pare do blá blá blá, ates de se chegar aos finalmente rsrsrs
    Eu desejo vc uma boa hora, como dizem os mais antigos se tratando de grávidas!
    E espero que eu cabelo não murche depois da gravidez.. o da minha irmã está lindão e as filhas dela já tem 11 e 8 anos!!!!
    bjs e sigo aqui

    ResponderExcluir
  3. Bom, a idade também modifica bastante o cabelo - mas quero dividir a culpa com as variacoes climáticas também. Hoje, praticamente aos 40, meus cabelos sao um parca lembranca das belas madeixas dos meus 20 anos. Nesse meio tempo eu mudei de continente e hemisfério, saí do húmido Rio de Janeiro para a poluída Londres e agora no árido deserto do velho oeste americano. Nao teve cachinho que aguentasse. Mas também nao brigo mais com eles. Tá feio? Rabo de cavalo na hora.

    ResponderExcluir
  4. O meu cabelo era meio enroladão, daqueles que passava um mousse e apertava e formavava uns cachos largos bonitões na parte da frente, com a gravidez meu cabelo deu uma alisada. Ainda consigo deixa-lo ondulado, mas não como era antes. E só secando com o secador ele já fica mais lisão.
    nem vou falar das mudanças do corpo...pq aqui a coisa foi brava aiushiauhs
    beijos

    Coloca uma foto do barrigão!!!

    ResponderExcluir
  5. Joo, mulher...também dava gritinhos histéricos de alegriaa cada novo cabelinho que brotava na minha cabeça alopércica (claro que essa palavra não existe, mas o fato é que tenho alopércia androgenética, que faz meus cabelos cairem horrores). Era cabelo que não acabava mais, lindo e macio, a secura tinha ido pro beleléu e eu vivia dias de amor e glória com meu picumã até que...meu filhote nasceu! Hahahaha!! É, mulher, depois do parto, danou-se tudo! Foi tudo por água abaixo, literalmente! kkkkk! Agora tô eu aqui, fazendo tratamento pra ver se não fico carecona. É claro que no meu caso foi pior por causa da alopércia (bandida miserávi!), mas o cbalón muda mesmo, e pra pior, infelizmente! Maaaas, já sabendo disso, rola um preparo psicológico pro pós parto e dá pra se estressar menos, até porque, vai ter muita coisa nova pra vc se preocupar! Tudo de bom e que Nossa Senhora do Bom Parto te acompanhe!! Beijão!

    ResponderExcluir
  6. Ah, eu super acho que vai cair tudo mesmo!!! Eu não chego a ter alopécia (minha sogra me contou que já teve e que foi f*da!!!), mas nunca fui a pessoa com mais cabelos na cabeça da face da terra não. Se eu conseguir preservar as sobrancelhas, já super saí no lucro!

    Obrigada todo mundo pelos votos de felicidade!

    ResponderExcluir
  7. além de ter bad hair day eu tb tenho bad skin day. felizmente, noto uma ALTERNÂNCIA e as duas coisas nunca ocorrem no mesmo dia.

    no mais, adorei seu 'desabafo', falando de cabelo ruim X cabelo bom. felizmente, existem pessoas como você que apresentam essa interpretação. vc é inteligente, graças a Deus existe gente assim na blogosfera (ou nome tosco isso de BLOGOSFERA mas enfim)!

    e estou falando isso porque já li blogs onde pessoas que provavelmente não estão de bem com a vida criticam cabelos crespos, criticam pessoas gordas, criticam tudo. só vale se for magra e loira.

    aliás, tentam fazer com que eu tinja meu cabelo de loiro (ou faça luzes, veja só), porque eu sou branquinha e combina NÉ (oi?).

    p.s.: Joo, vou mandar um e-mail cobrando isso... mas depois me passa seu endereço? quero te mandar uma coisa (na verdade não vai ser pra vc, etc)

    ResponderExcluir
  8. Meu cabelo me odeia - mas odeia muito mais segundas. Há algum tratamento para isso? rsrs


    Chato, mas é verdade - temos a mania de associar cabelo ruim aos cacheados... Mas o especialista que você citou falou exatamente o que penso. Já vi muita loira de cabelo liso vergonhoso... Ai que vontade de apresentar Óleo Argan e Escova Inteligente para o ser!

    ResponderExcluir

É novo(a) por aqui? Então preste atenção nas seguintes observações:

- O VnF? não é uma democracia
- Apreciamos críticas construtivas
- Comentários que tenham por objetivo apenas a auto-promoção poderão ser removidos.
- As postagens antigas estão sofrendo moderação para evitar os chatíssimos robôs-spam